Suspeito se aproximou da vítima e efetuou os disparos e em seguida fugiu
sem ser identicado
As testemunhas ouviram os disparos, acionaram a Central de Operações da PM que juntamente com equipe do Corpo de Bombeiros constataram o óbito de Edimar Pereira da Silva 
Um homem foi executado por disparos de arma de fogo, no nal da
noite deste domingo, 14, no bairro Jardim Esmeralda (Jardim das Esmeraldas), município de
Guajará-Mirim/RO. Edimar Pereira da Silva, de 33 anos, chegou a ser atendido por bombeiros, mas
não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

                                                           CONTINUA LOGO DEPOIS DA PUBLICIDADE


Segundo informações da Polícia Militar, testemunhas relataram que por volta de 23h40min ouviram

um estampido similar a disparo de arma de fogo, em seguida avistaram em meio a escuridão na
Avenida Touc Melhem Bouchabki o corpo de um homem caído ao solo.  Uma equipe do Corpo de
Bombeiros compareceu no local do crime, constantado que não havia sinais vitais da vítima. A
trabalho da Polícia Técnica-Cientico (Politec), onde havia já bastante sangue. A reportagem do
jornal e site O Mamoré apurou que foram encontrandas duas perfurações no corpo do homem. O
veículo rebecão da Polícia Civil retirou o corpo do local transportando até o necrotério do Hospital
Regional Perpétuo Socorro.

Na cena do crime, a mulher identicada como Rita Gomes Bezerra, de 40 anos, disse aos policiais
militares que era esposa da vítima, o casal residia no mesmo bairro, na Avenida Antônio Luís de
Mâcedo, próximo ao local do crime. O Mamoré apurou que durante a realização do Boletim de
Ocorrência, Rita passou seus dados aos policiais militares, mas armou que estava pouco tempo no
município, levantando suspeitas dos policiais que logo obtiveram informações via banco de dados
que havia um mandado de prisão da Comarca de Guajará-Mirim em desfavor de Rita. Ela foi presa e
conduzida ao Albergue Feminino.

A equipe da Divisão de Homícidios (D.H.), da Polícia Civil, assim que fora informada do homicídios
está em diligência na tentativa de elucidar o crime, que até o momento há testemunhas que apenas
ouviram os disparos, não identicando o autor do assassinato.





Fonte: O MAMORÉ