Caixa Econômica Federal anunciou nesta terça-feira, 20, uma linha de financiamento que utilizará a inflação oficial do país, calculada pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), como composição para as taxas de juros. Com isso, o consumidor terá acesso as parcelas mais baixas das até então oferecidas pelo banco, que detém mais de 70% do crédito imobiliário no país. A pedido de VEJA, a plataforma de crédito imobiliário Melhortaxa simulou três cenários de financiamentos imobiliários. A redução chega a 25%.
Até esta terça-feira, a Caixa oferecia apenas modelos de financiamento com juros calculados pela Taxa Referencial (TR) — que é zero desde 2017— somada a um valor fixo de 8,5% a 9,75%. Agora, também será possível ter acesso a crédito indexado ao IPCA mais uma taxa fixa de 2,95% a 4,95%. O IPCA é medido e divulgado mensalmente pelo IBGE. Para o financiamento, será utilizado o valor acumulado em 12 meses, que é recalculado mensalmente com a divulgação da inflação mensal.
Os cenários calculados pelo Melhortaxa mostram a diferença no valor da parcela inicial entre a nova linha e a atual. As previsões são para financiamentos de 300 mil reais, 500 mil reais e 1 milhão de reais, em 30 anos, utilizando a inflação acumulada nos últimos 12 meses, de 3,22% em julho, de acordo com o IBGE.
O modelo inclui apenas o valor do financiamento – taxas e seguros podem ser embutidos adicionalmente pelo banco. No exemplo usado pelo presidente da Caixa, Pedro Guimarães, o banco utilizou uma variável de comprometimento de renda, que também pode afetar no valor do financiamento – variável não considerada no cálculo do Melhortaxa.
Simulação de financiamento imobiliário de R$ 300 mil por 30 anos 
Novas taxas de juro utilizam o índice de inflação mais uma taxa anual, enquanto vigente usa TR e juros anuais