Pizza é algo que acontece muito na política e em muitos casos que dependem de justiça. O fato da Assembleia Legislativa de Rondônia ter iniciado uma CPI para apurar irregularidades na atuação da Energisa, é esperançoso. Embora a Energisa seja regulada pela Agência Nacional de Energia Elétrica, a Aneel, a CPI já apurou alguns fatos imorais, como convênio com a Polícia Civil, e até o pagamento milionário para a realização de serviços de aferição de medidores para o Instituto de Pesos e Medidas de Rondônia, o Ipem. Já foi demonstrado que o Procon não atua defendendo os direitos do consumidor quando se trata da Energisa em Rondônia.

Pizza é algo que acontece muito na política e em muitos casos que dependem de justiça. O fato da Assembleia Legislativa de Rondônia ter iniciado uma CPI para apurar irregularidades na atuação da Energisa é esperançoso. Embora a Energisa seja regulada pela Agência Nacional de Energia Elétrica, a Aneel, a CPI já apurou alguns fatos imorais, como convênio com a Polícia Civil, e até o pagamento milionário para a realização de serviços de aferição de medidores para o Instituto de Pesos e Medidas de Rondônia, o Ipem.
Neste início a CPI goza prestígio junto à população, mas a dúvida que fica, nessa briga com uma empresa gigantesca, que possui tentáculos em várias esferas do poder no Brasil, se isso realmente não pode acabar em pizza.
O político profissional pode ser ganancioso, e talvez não segure a barra até o fim. O que este reality show não mostra, é se há ou não interesses escusos nessa guerra ora iniciada.

Fonte: Folha Nobre